Imprima essa Página Mídia Mundo

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Esporte contra o terror



Nem os diários esportivos escapam da revolta que tomou conta da Espanha depois do atentado de Barcelona.

Marca (Madri, Espanha), As (Madri, Espanha), Mundo Deportivo (Barcelona, Espanha) e Sport (Barcelona, Espanha) esquecem o futebol por um dia para protestar.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Que falta faz um editor de arte


Quando um jornal abre mão de um editor de arte e improvisa no desenho de páginas, acaba cometendo assassinatos gráficos.

O Diário dos Campos (Ponta Grossa, PR) traz hoje uma enorme foto de uma estrada. E um título aplicado que simplesmente atropela a imagem.

Mais: um texto à esquerda que termina de esfaquear a vítima.

É verdade que a foto de Peterson Strack não é nenhuma maravilha. Mas não precisava escondê-la atras de textos.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Exagero catarinense


Diz um ditado das redações que quando o jornalista é mais importante que a notícia, um dos dois é mentiroso.

Pois hoje a empresa é mais importante que o mundo, para a recém criada NSC - que sucedeu a RBS em Santa Catarina.

Pelo menos é o que mostram as capas de Diário Catarinense (Florianópolis, SC), A Notícia (Joinville, SC) e Jornal de Santa Catarina (Blumenau, SC).

Bem vinda NSC, mas volte a fazer jornalismo!

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Jornais de segunda, informações de sábado

Há algo errado na mídia impressa gaúcha.

Os quatro jornais de Porto Alegre foram às ruas hoje como se o leitor tivesse dormido sábado, no meio da tarde, e só tivesse acordado hoje. Ou o que explica o enorme destaque ao jogo do Inter - que ocorreu às 16h30 de sábado - nas capas de Zero Hora (Porto Alegre, RS), Diário Gaúcho (Porto Alegre, RS), Metro (Porto Alegre, RS) e Correio do Povo (Porto Alegre, RS)?

Incrível a arrogância dos jornais que ainda se consideram donos da informação. Não circulam aos domingos e acreditam que os leitores se isolam em uma ilha, sem Internet, sem TV, sem rádio.

Ou sempre há um gênio que justifica a aposta no futebol de sábado "para equilibrar com o Grêmio, que jogou domingo". Uma explicação pior que a outra.

Não há qualquer justificativa. Coloca futebol de sábado na capa da segunda é enganar o leitor. Roubar espaço nobre e ainda cobrar por ele. 

Lamentável. Como lamentável a "notícia" da morte de Carlos Araújo, ex-marido de Dilma Rousseff, também nas capas. Araújo morreu ao amanhecer de sábado, quando a edição daquele dia ainda não havia chegado às casas dos assinantes.

Jornais velhos só servem para embrulhar peixe.





quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Nada é mais importante do que o que ocorre por perto


O Correio Braziliense (Brasília, DF) vive um dilema fantástico: está no coração dos mandos e desmandos do País, embora tenha um público leitor que busca informação relevante de sua vida, das esquinas.

A grande aposta de capa de hoje do CB é um acerto. O assassinato de uma funcionária pública, vítima de assalto quando chegava em casa, é um tema que ultrapassa as discussões de Câmara e Senado. Está no cotidiano de quem optou por morar no Distrito Federal. É problema urbano, que passa longe da Praça dos Três Poderes.

Um jornal vive de relevância para com sua audiência.

Ponto para o Correio.

Sobrou criatividade, faltou relevância


O jornal O Povo (Fortaleza, CE) é conhecido pela ousadia gráfica, edições especiais de altíssimo nível. Mas há uma dose de exagero nos especiais propostos pela publicação.

Hoje o jornal foi às bancas com a edição 30 mil. E daí? O que é relevante ao leitor, além do curioso logo do primeiro número?

Nada.

Pior: O Povo ameaça outra edição efeméride em janeiro, quando comemora 90 anos. Meu Deus!

As edições históricas funcionam quando há um elemento curioso que costura a edição, misturando passado e presente. Não é o caso.

Possivelmente a edição de hoje deu muito trabalho para ser feita, deu alegria à equipe que a produziu, mas dará pouquíssima repercussão junto ao verdadeiro objetivo: a audiência.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Um produto digital de primeira



Imperdível o trabalho da equipe do Correio Braziliense (Brasília, DF) batizado Ciclovias em busca de uma Cidade.

Um produto digital completo, multiplataformas, focado. Uma campanha que precisa ter continuidade.

Parabéns ao time do CB!