Imprima essa Página Mídia Mundo

quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

O segundo sentido


O Dia (Rio de Janeiro, RJ) sempre se destacou pela criatividade, ainda mais pela influência do "irmão" Meia-Hora.

Hoje o diário carioca foi muito feliz ao falar da libertação do ex-governador.

PS: dica do atento amigo Gabriel Flores

sábado, 7 de dezembro de 2019

Santa Catachina?


Não, o estado de Santa Catarina ainda pertence ao Brasil e fala português. Mas o leitor estranhou ao ver a capa do Diário Catarinense (Florianópolis, SC) em chinês. E quase não reparou no aviso discreto no alto: conteúdo patrocinado.

Trata-se de uma campanha do Icasa (Instituto Catarinense de Sanidade Agropecuária) para valorizar o setor avícola e fazer propaganda aos eventuais compradores chineses.

Mas que ficou estranho, ficou.

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Mais uma capa genial no NYTimes


Sabe por que o The New York Times (Nova York, NY) é o melhor jornal do mundo, com mais de 4 milhões de assinantes?

Porque ele não tem medo de ousar.

Não existe a desculpa de que "nosso leitor quer isso", "nosso leitor quer aquilo". O Times conhece seu assinante e conhece ainda mais o não-assinante, aquele que precisa conquistar.

Por isso uma capa simulando o livro do ano dos formandos, buscando as histórias daqueles que "deram certo" é mais um tiro certeiro da "velha senhora".

Um jornal que serve de inspiração.

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Outra candidata a melhor foto do ano


É de Raphael Muller a ótima imagem da capa de A Tarde (Salvador, BA) de hoje. Com rara sensibilidade, transmite o drama dos soteropolitanos que enfrentam as chuvas de primavera.

Pena que a redação do jornal não entendeu a força dessa foto. Cometeu 4 deslizes:
1. Aplicou manchete em uma área não neutra, ou seja, com informações relevantes por trás;
2. Aplicou também um texto - esse sim em zona quase neutra - mas com fundo preto, deixando a capa com uma salada de caixas coloridas;
3. Decidiu publicar uma segunda foto sobre o mesmo tema, mas que perdeu completamente a força por vir abaixo da imagem principal;
4. Como se não bastasse, apostou em uma terceira imagem na capa, minúscula, de um carro, para promover as páginas de automóveis.

Enfim, ótimo exemplo em que a intervenção da redação prejudica a imagem. Mas que a foto é ótima, não há dúvidas.

quinta-feira, 21 de novembro de 2019

O moderno e o clichê



The New York Times (Nova York, NY) está a cada dia mais moderno. O tempo serve para que a "velha senhora" do jornalismo entenda as necessidades informativas de seus milhões de leitores (cerca de 4 milhões de assinantes).

Já os concorrentes apelam para o clichê. Aquele jornalismo que não leva a lugar nenhum, apenas repete fórmulas.

Bastava responder a pergunta: o que importa do depoimento do embaixador Sondland, no processo que pode levar ao impeachment de Donald Trump? Seu rosto? Não, o conteúdo de sua fala.

Enquanto The Washington Post (Washington, DC), Los Angeles Times (Los Angeles, CA), Miami Herald (Miami, FL), Chicago Tribune (Chicago, IL) e USA Today (McLean, VA) dão enorme destaque às caras e bocas do diplomata, NYTimes aposta nas revelações. Branco sobre preto. O conteúdo que os americanos querem conhecer.

Mais uma aula de bom jornalismo do Times.



sábado, 9 de novembro de 2019

A mesma foto nos jornalões


Os fotógrafos de O Estado de S. Paulo (SP) e Folha de S. Paulo (SP) estavam lado a lado, como fazem tantas vezes, e clicaram juntos?

Não, a imagem das capas dos matutinos paulistanos é do repórter-fotográfico Ueslei Marcelino, da Agência Reuters.

Quando se usa material de terceiros há esse risco.

Coincidência a aposta dos dois pela mesma foto, ontem.

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

Qual é o jornal mais feio?


Desde que a Internet passou a estar na vida de 10 entre 10 brasileiros, o impresso virou produto nobre, objeto de desejo. E, portanto, precisa ter ótima qualidade...e um desenho que chame a leitura.

Dois jornais brasileiros ainda não entenderam o momento. Hoje Diário dos Campos (Ponta Grossa, PR) e Diário de Taubaté (Taubaté, SP) disputam o nada honroso título de impresso mais mal desenhado do País.

Os dois são muito feios. E não conseguem hierarquizar informações.