Imprima essa Página Mídia Mundo: 2020

sábado, 4 de abril de 2020

Simples e direto


A mensagem do Ottawa Citizen (Ottawa, Canadá) não deixa dúvidas.

É a diferença entre ficar em casa em isolamento ou ter liberdade para andar nas ruas.

Stay Home.

quarta-feira, 1 de abril de 2020

A Gazeta suspende edição impressa


O tradicional A Gazeta (Vitória, ES), que desde agosto tem apenas uma edição semanal impressa - e uma operação digital potente - anunciou que deixa de circular em todos os dias da semana a partir de sábado. É a primeira grande vítima do Covid-19 no Brasil.

Segundo a Direção, trata-se de uma medida para evitar a propagação do Coronavírus. De acordo com analistas capixabas, a pouca publicidade da edição semanal caiu a números mínimos. Sem o comércio local e serviços, não há anúncios.

A Gazeta promete voltar à edição semana a partir do final da pandemia.

terça-feira, 31 de março de 2020

Corona derrubou o líder da Florida


A voracidade do Coronavírus derrubou o Tampa Bay Times (St Petersburg, FL).

Líder na circulação de impressos na Florida, o jornal decidiu que a partir da semana que vem só circulará quarta-feira e domingo. Os outros cinco dias estarão suspensos até que a publicidade volte ao normal.

É uma medida extrema, mas rápida. O vírus não tem a Florida como alvo nos EUA, mas o confinamento existe por lá também.

Observadores americanos apostam que essa redução de circulação seguirá mesmo depois da crise do Corona.

segunda-feira, 30 de março de 2020

Extra é crítico e criativo


Vem do carioca Extra (Rio de Janeiro, RJ) um das ideias mais criativas dos tempos de Coronavírus.

Inteligente, diferente, bem humorada e extremamente crítica. O Jogo dos Sete Erros.

Excelente.

PS: bem observado pelo colega Igor Muller

sexta-feira, 27 de março de 2020

Elegância e respeito no Ceará


O Povo (Fortaleza, CE) dá mais uma aula de bom jornalismo. Respeitoso, elegante, direto, sem firulas.

Qualquer foto iria sujar a capa de hoje.

Preto, branco e cinza. A tristeza em forma de capa.

O bom jornalismo acena do Ceará.

quinta-feira, 26 de março de 2020

Direto ao ponto


Público (Lisboa, Portugal) vai além da notícia básica: foca na consequência, no dia seguinte à crise.

Brasil vai chegar lá também.

quarta-feira, 25 de março de 2020

Uma página exemplar


Enquanto a imprensa brasileira tem enorme dificuldade em se posicionar pela defesa da vida - e contra as declarações descabidas do presidente - The New York Times (Nova York, NY) ensina como ser crítico e elegante ao mesmo tempo.

Se alguém ainda tem dúvidas sobre a necessidade de isolamento social, o diário americano desenha.

Brilhante.

PS: do FaceBook do designer Luiz Adolfo Lino de Souza

segunda-feira, 23 de março de 2020

Raro senso de oportunidade


Genial outdoor nas ruas de São Paulo.

Não necessita explicações.

PS: do FaceBook de José Maurício Pires Alves

Imprensa brasileira se mobiliza - com atraso, é verdade


Uma ação da ANJ (Associação Nacional de Jornais) fez com que as capas dos jornais associados saíssem iguais hoje, pela primeira vez na história.

Juntos vamos derrotar o vírus, está escrito. Um momento importante e necessário de união.

Talvez com início um pouco mais tarde do que o necessário. Na Argentina, essa mesma ação ocorreu há quatro dias.





sábado, 21 de março de 2020

Vidas que contam histórias



Ótimo trabalho - e aposta - do semanário ABC (Novo Hamburgo, RS). A frase de uma contaminada pelo Coronavírus serve de gancho para a reportagem.

Mais: houve coragem de fazer a aposta na capa. Sem foto. Sem gráfico. Sem ocupação de espaço.

Preto no branco, para "gritar" mais e não deixar dúvidas.

quinta-feira, 19 de março de 2020

Argentina contra o Corona



Hoje as bancas de jornais da Argentina foram surpreendidas com capas iguais dos jornais da nação. É a maior campanha conjunta do país hermano.

Uma iniciativa necessária para combater o vírus.

PS: colaboração de Nelson Nunes e Victor Tessler





Enquanto jornalões e populares saem bem, imprensa local cai no conto do Planalto


A coletiva mascarada do Presidente da República e seus ministros foi patética. Um factóide de baixo nível, que serviu de querosene para os panelaços noturnos. Em poucas palavras é a leitura do dia de ontem.

O Estado de S. Paulo (SP) entendeu e fez uma capa posicionada. Folha de S. Paulo (SP) e O Globo (Rio de Janeiro, RJ) também.

Mas Correio Braziliense (Brasília, DF), O Dia (Rio de Janeiro, RJ) e Zero Hora (Porto Alegre, RS) parecem pautados pelo Planalto. Não valem o que custam.

Quem se posicionou conforme o comportamento do leitor foram os populares cariocas. Extra (Rio de Janeiro, RJ) e Meia Hora (Rio de Janeiro, RJ) foram, outra vez, muito criativos.





segunda-feira, 16 de março de 2020

Os jornais ainda resistem a enxergar o que seu leitor vê


O Estado de S. Paulo (SP) fez tudo certo na edição de hoje. Chegou a contar o número de apertos de mão que o irresponsável Presidente da República deu ontem, mesmo estando em quarentena.

Só que na hora de tomar posição, como os jornais europeus e americanos já fazem em situações semelhantes, prefere dar manchete a infectologistas.

Medo. Falta de costume. Para o Estadão, opinião está restrita às páginas de opinião.

Que pena. O matutino paulistano ainda Não entendeu para que serve um impresso em 2020.

Deu no The Guardian


O Grêmio, quem diria, virou capa do caderno de esportes do The Guardian (Londres, UK).

Em tempos de Coronavírus, quando Cebolinha e seus colegas entram em campo com máscaras, é notícia na Europa.

sexta-feira, 13 de março de 2020

Criativo até na doença


O Corona Vírus interrompeu campeonato e colocou o mítico Real Madrid de quarentena.

Mas o Marca (Madri, Espanha), referência em jornalismo esportivo na Europa, não perde a oportunidade. Mais uma capa antológica.

Ser criativo é vital para os impressos.

PS: do FaceBook do colega Manuel Barros Moura. 

quinta-feira, 12 de março de 2020

Metro ensina cuidados básicos


Não, não se trata de uma manchete em libras.

Metro (SP) decidiu colocar em fotos os cuidados básicos que a população deve ter para reduzir os riscos de ser contaminada pelo Corona Vírus. Simples assim.

Em um momento como esse, de pandemia, é importante que os meios de comunicação ajudem no combate. Impresso também é serviço.

Ficou claro ou precisa desenhar?

terça-feira, 10 de março de 2020

Três formas de usar gráficos


Os três jornalões utilizaram a mesma linguagem para falar da crise das bolsas e do petróleo: gráficos logo abaixo do logo.

Não existe certo e errado no caso, é preciso informar mais em menos espaço. E ser didático.

O Globo (Rio de Janeiro, RJ), Folha de S. Paulo (SP) e O Estado de S. Paulo (SP) apresentam números com vários tipos de gráficos. E informam rapidamente, antes da manchete.

sexta-feira, 6 de março de 2020

A arte que resolve a capa


Metro (Belo Horizonte, MG) usa a arte como forma de informação. Sem medo. Com bom gosto.

Muito melhor do que uma foto para ilustrar.

quinta-feira, 5 de março de 2020

Jornais brasileiros estão surpreendentemente quietos


Impressionante a falta de reação da imprensa brasileira.

Para que serve um jornal impresso?
Para explicar, ir a fundo nas questões e tomar posição.

Hoje os três jornalões passam de raspão na atitude do Presidente da República, que para desdenhar o péssimo desempenho da economia, escalou um humorista para dar entrevista - e distribuir bananas à imprensa. Isso foi, no mínimo, um desrespeito institucional.

Folha de S. Paulo (SP), O Globo (Rio de Janeiro, RJ) e O Estado de S. Paulo (SP) tratam do caso com surpreendente neutralidade.

Não é para isso que serve um jornal impresso.


terça-feira, 3 de março de 2020

A foto do ano, por enquanto


É de Diego Bresani e está na Revista Piauí (SP) de Março.

A foto que não necessita de legenda.

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

A dificuldade da imprensa brasileira em dizer a verdade


O Presidente Bolsonaro mentiu ontem, em sua live semanal. Como tem mentido em várias e várias ocasiões.

Mas as mentiras aparecem na mídia em colunas de opinião, e não como material editorial. Por que jornais, TVs e rádios têm tanta dificuldade em afirmar com todas as letras que o Presidente está faltando com a verdade? Medo?

Ontem o absurdo foi afirmar que um retweet polêmico foi de vídeo de 2015 - ainda que apareça imagens da suposta facada na campanha de 2018.

Nos Estados Unidos a imprensa banca informações checadas. E por isso o The Washington Post (Washington, DC) consegue afirmar que Donald Trump cometeu 16.241 mentiras ou informações equivocadas nos primeiros três anos de mandato - marca que mereceu o "Trofeu Pinóquio" para o Presidente.

O Post segue Trump de perto e não deixa dúvidas. E isso se transforma em admiração da audiência, novas assinaturas digitais.

Mas no Brasil há um temor inexplicável da mídia.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Boas ideias têm prioridade


A bela sacada do dia é do site Metrópoles (Brasília, DF).

Com a infeliz declaração do Presidente da República e do filho zero-três, sobre explodir uma bomba no Congresso, Metrópoles simulou a consequência de uma Bomba H a partir da Praça dos Três Poderes.

Possivelmente o deputado não choraria, mesmo: ele estaria morto.

PS: dica do colega Pedro Haase

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

A capa que irritou Bolsonaro


Nem no feriado de Carnaval o Presidente da República escapa de uma polêmica (ou seria um factóide?).

Bolsonaro caminhou por Praia Grande e reclamou da capa da Folha de S. Paulo (SP), que afirma: Mangueira usa imagens de Jesus para criticar Bolsonaro. A foto mostra a truculência policial para revistar Jesus Cristo.

Pois o Presidente não gostou e reclamou:
"A Folha de S. Paulo, hoje, foi buscar uma imagem no Carnaval do Rio, uma imagem de uma escola de samba desacatando as religiões, né? Cristo levando uma batida de policial. Faz vinculação comigo. Estão buscando uma imagem no Rio para me atingir".

 A Folha apenas praticou jornalismo.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Enfim, a imprensa se rebela


Demorou 14 meses, mas enfim um meio de comunicação pede - explicitamente - o final imediato do mandato do Presidente da República.

A revista IstoÉ (SP), vista por alguns como "QuantoÉ", levanta a bandeira do impeachment de Bolsonaro, o mais polêmico de todos os presidentes da história do Brasil - incluindo os militares.

Folha de S. Paulo (SP) e O Estado de S. Paulo (SP) foram muito duros em editoriais, mas nenhum pede a saída do Presidente. E motivos de desrespeito à Constituição não faltam - muito mais claros que as pedaladas fiscais de 2015/2016.

Depois do desrespeito às mulheres e à repórter Patrícia Campos Mello, os tiros no senador Cid Gomes talvez tenham sido o estopim de algo maior que está por vir. A imprensa, pelo menos, acordou.

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

Zero Hora está perdendo o DNA gaúcho?


Naquele jogo bem humorado de simulação de manchetes de cada jornal brasileiro, Zero Hora (Porto Alegre, RS) sempre apareceu exagerando no bairrismo. Era algo como "Nenhum gaúcho entre as 250 vítimas de explosão na Índia".

Mas pelo jeito algo mudou no jornal gaúcho. Ou há um fato político comandando seu lado editorial.

O gaúcho com mais alto cargo no governo Bolsonaro foi defenestrado da Casa Civil. De troco, Onyx Lorenzoni ganhou o Ministério da Cidadania (quase um prêmio de consolação), antes ocupado por outro gaúcho linha-dura, Osmar Terra - esse exonerado.

Ou seja, não é preciso muito conhecimento para se deduzir que os gaúchos perderam espaço com o presidente-capitão. E isso deveria ser dito e explicado pelo jornal líder do RS.

Mas a manchete de hoje é exatamente o que não interessa aos sulistas: a notícia de Brasília, no lugar de algo relevante para os gaúchos.

Verdade que a pela manhã a Rádio Gaúcha, do mesmo grupo RBS, entrevistou os dois políticos que perderam poder. E, estranhamente, deram espaço para que os dois interpretassem as demissões como algo positivo para eles. Esqueceram de fazer jornalismo, preferiram dar palanque.

Haverá algum interesse político da empresa ao proteger os dois defenestrados?

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

Sexta-feira de boas fotos


A sexta-feira, enfim, começou a ser entendida também no Brasil como o início do fim de semana. E, por isso, um dia de conteúdo mais leve, de prazeres da vida - não apenas mortes e roubalheiras. Algo que já existe no Exterior há algum tempo.

Hoje O Estado de S. Paulo (SP) e Zero Hora (Porto Alegre, RS) apostam em lindas imagens de Felipe Rau e de Marco Favero.

É muito bom saber que os impressos começam a entender o que seus leitores querem receber.