Imprima essa Página Mídia Mundo: 2018

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Menos pimenta no acarajé


A desconexão de A Tarde (Salvador, BA) com sua audiência está chegando a pontos extremos. Depois de falar do Paraná em manchete semana passada, agora é Venezuela.

O Brasil está em ebulição, faltam 20 dias para as eleições. Povo nas ruas fazendo barulho para um e outro lados. O País não fala de outra coisa se não as ameaças, vantagens e desvantagens de cada um dos candidatos.

E A Tarde fala da Venezuela... Aliás, uma notícia de sábado.

Incrível!

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

A diferença de quem aposta no grafismo


Os jornais cearenses O Povo (Fortaleza, CE) e Diário do Nordeste (Fortaleza, CE) escolheram o mesmo tema para as manchetes de hoje: Haddad e Lula.

Pode-se discutir a aposta, mas não é o que se pretende agora. A questão é como apresentar o assunto.

O Diário trata o tema como sempre, sem emoção, uma manchete tradicional e essencialmente noticiosa. O Povo trabalha um jogo de fotos que, ao primeiro olhar, já fica clara a mensagem ao leitor. Está anos-luz à frente do concorrente.

Bravo, O Povo. É a consequência de quem investe em artistas gráficos.

Baiano desconectado da Bahia


O jornal A Tarde (Salvador, BA) parece perdido em suas apostas editoriais.

Por que a prisão (no início da manhã) de um ex-governador....do Paraná é manchete do jornal na Bahia?

Difícil explicar. Notícia velha de um ilustre desconhecido entre os baianos.

Ou o jornal redescobre sua conexão histórica com a audiência, ou sua relevância será a cada dia menor.

terça-feira, 11 de setembro de 2018

Enfim um pouco de jornalismo de qualidade


O candidato a presidência Jair Bolsonaro foi esfaqueado quinta-feira passada em Juiz de Fora. Até agora, cinco dias depois, ninguém havia investigado a fundo a história do autor da punhalada, Adelio Bispo de Oliveira.

Finalmente hoje o Estado de Minas (Belo Horizonte, MG) traz algumas pistas.

Ufa! O jornalismo está vivo.

terça-feira, 4 de setembro de 2018

Positivo na tragédia



Grande ideia do Extra (Rio de Janeiro, RJ).

Em vez de martelar a tristeza, como todos os jornais do Brasil costumam fazer, o popular carioca trouxe lembranças dos leitores. Momentos dentro do Museu, que virou cinzas.

É preciso ser positivo no Brasil de 2018.

domingo, 2 de setembro de 2018

Grande campanha em jornais


Enquanto houver criatividade, haverá saída.

A Samsung comprou as capas dos cinco maiores jornais da Espanha para lançar uma mega campanha de máquinas de lavar roupas.

El País, El Mundo, La Razón, La Vanguardia e ABC. Capas quase monotemáticas.

É preciso ousar e saber cobrar pelo retorno.

PS: Dica preciosa de meu colega e amigo Chus del Rio

sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Sinais de vida no Planeta Estadão


Se há uma mentalidade conservadora, entre os jornalões brasileiros, o foco principal está em O Estado de S. Paulo (SP). É sempre o último a inovar, o resistente a entender a estratégia digital e a experimentar nos linguagens, mesmo assistindo a morte de seus assinantes históricos - e vendo a carteira minguar.

Por isso é uma ótima notícia perceber uma capa diferente, decidida, com apostas claras, como a de hoje.

Algo mudou no centenário jornal. Que a mudança ajuste o que ficou pelo caminho.

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

A diferença entre o necessário e o descartável


O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) revelou ontem o ranking de eficiência dos judiciários estaduais do Brasil. No listão, o Ceará ficou em último lugar.

É notícia, claro. Mas o papel do impresso é explicar os motivos. A informação pura e simples é velha.

Diário do Nordeste (Fortaleza, CE) cravou o número de processos sem resolução. Curioso, mas não vai além da notícia.

O Povo (Fortaleza, CE) analisou o fato e explicou por que a Justiça do Ceará é a mais lenta.

Perfeito! Para ter coragem de cobrar R$ 3 por uma edição é fundamental acrescentar valor, oferecer algo a mais. E só O Povo conseguiu. 

terça-feira, 28 de agosto de 2018

Linda foto, mas...


Linda a imagem da capa do Diário Catarinense (Florianópolis, SC). Pena que o autor não seja um fotógrafo da sua equipe, mas Wagner Urbano Onjack, do Estadão Conteúdo (Agência Estado).

Por que os repórteres fotográficos do jornal de referência de SC não conseguem uma foto como essa?

Quando a melhor foto de um local que está na nossa prioridade editorial não é de nossa equipe, algo está errado. De qualquer maneira, a imagem conta o fato.

Uma aula de mau jornalismo


O Diário dos Campos (Ponta Grossa, PR) tinha tudo para fazer uma edição de luxo hoje. Mas cometeu as piores infrações do jornalismo.

1. Aplicou o logo azul sobre foto. O resultado é que o logo sumiu.
2. Aplicou texto sobre a grama verde. E descoloriu o fundo para ficar legível. Ficou péssimo.
3. (o pior) Conta um fato (importante) de domingo como se houvesse acontecido ontem. Nenhum valor agregado. Nenhuma consequência. Nada de trabalho criativo. É o jogo de domingo publicado na terça, enganando o leitor. Ou seja, é uma capa que seria de segunda-feira, caso o jornal circulasse nesse dia.

O DDC está com um modelo gráfico feio, antiquado. Precisa se renovar. Mas pior mesmo é a aposta editorial como se o cidadão estivesse imune às notícias durante as 36 horas entre a partida e a publicação do jornal.

Lamentável.

sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Metro passa recibo


A cantora Anitta, sucesso no Brasil, foi editora por um dia do Metro...no México.

Sim, o gratuito que circula em mais de 10 cidades no Brasil viu por fotos a estrela da música ser editora do mesmo jornal, mas em terras mexicanas.

E abusou na fotografia de capa, passando um recibo poucas vezes visto no mercado grátis do Brasil.

Em uma tacada só, mostrou que ou não consegue ter esse tipo de ideia, ou que a cantora prefere outros ares.

Lamentável.

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

DNA de jornal pequeno


A Folha de S. Paulo (SP) é, ao lado de O Globo (Rio de Janeiro, RJ) e de O Estado de S. Paulo (SP), o jornal mais importante do Brasil. Cada capa é uma mensagem bem construída a milhares de leitores em todas as plataformas.

Sempre na vanguarda, a Folha pisa na bola hoje e revela seu DNA de jornal pequeno ao dedicar quase meia capa, na parte alta (nobre) à morte de seu diretor, Otavio Frias Filho.

Otavinho, sem dúvidas, foi fundamental para o Projeto Folha, que fez com que o jornal assumisse a dianteira no jornalismo brasileiro. Mas sua morte, bombardeada desde as primeiras horas de ontem pelas plataformas eletrônicas, não é mais importante, por exemplo, que a pesquisa exclusiva do DataFolha na corrida ao Planalto.

Homenagear diretores e acionistas mortos na capa é o que há de mais velho no jornalismo de papel. E não interessa a ninguém, além da família.

Otavio Frias Filho não estaria de acordo com essa capa. Lembra os momentos mais conservadores da velha Folha.

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

EUA: A imprensa disse basta!


E de repente os jornais dos EUA decidiram, juntos, se revoltar. Basta de escutar palavrões do presidente Donald Trump.

Organizados pelo The Boston Globe (Boston, MA), mais de 100 (updating, são mais de 300) jornais americanos publicam hoje editoriais em nome da liberdade de imprensa e contra a tentativa de cerceamento do livre exercício do jornalismo da Casa Branca.

Cada veículo escreveu da sua forma, na sua própria cultura. E o resultado é o maior manifesto anti-Trump desde sua posse.

Uma amostra do que o bom jornalismo é capaz.

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Tragédia de Gênova - A imprensa italiana



Uma ponte, uma das tantas da estrada entre o aeroporto de Gênova e a cidade, desabou ontem, deixando, pelo menos, 39 mortos. As causas ainda são desconhecidas, mas tudo leva a crer que a falta de manutenção - de responsabilidade da concessionária, que cobra pedágio para isso  - tenha sido o principal fator.

O país está indignado, a imprensa também, mas os jornais generalistas ainda têm dificuldades em acusar alguém. Já a engajada imprensa política não poupa acusações.

Il Secolo XIX (Gênova, Itália) é bastante moderado nas críticas - fala apenas dos "trabalhos infinitos".










La Repubblica (Roma, Itália) e La Stampa (Turim, Itália), dois dos principais jornais do país, medem palavras. O primeiro compara com o tempo da guerra, quando a cidade estava dividida. O segundo é apenas informativo, sem acrescentar valor.














Il Manifesto
(Roma, Itália), jornal da esquerda, não poupa adjetivos: "O Monstro de Gênova". Já Il Dubbio (Roma, Itália), jornal da comunidade jurídica, prefere a pergunta: "Era possível evitar?"













Il Giornale
(Milão, Itália), meio da direita italiana, crava: Nós sabemos que foi. Enquanto Il Fatto Quotidiano (Milão, Itália), crítico como sempre, é irônico ao dizer que o "monitoramento constante matou 26" embora pela manhã esse número já havia chegado a 39 - e fontes garantem que são 45 os mortos.
















Il Mattino
(Nápoles, Itália), indignado, fala em "absurdo", enquanto Il Tempo (Roma, Itália) prefere "vergonha".












O recente La Verità (Milão, Itália), identificado com a direita italiana, é definitivo: "Não falem de fatalidade", ou seja, está bastante claro que identificam os potenciais responsáveis. La Notizia (Roma, Itália), pequeno veículo de opinião, afirma que se trata de uma "tragédia anunciada". E Libero (Milão, Itália) diz que "assassinaram Gênova".


quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Capa-pôster


Sem inventar, sem complicar, sem atrapalhar.

Metro quis promover o primeiro debate dos presidenciáveis, na Band TV. E acertou em cheio.

Muitas vezes é melhor fazer o simples.

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Como abrir o voto em uma capa


Que feio, Diário dos Campos (Ponta Grossa, PR).

Ficou fácil escancarar o voto da empresa, atribuindo ao resultado de uma pesquisa - e ignorando o cenário em que todos competem.

E quando a circulação cai, ninguém sabe os motivos.

terça-feira, 31 de julho de 2018

Oportunidade perdida


O piloto-automático de A Notícia (Joinville, SC) fez com o jornal catarinense perdesse uma ótima oportunidade de praticar bom jornalismo, ontem.

A equipe local - JEC - sofreu o terceiro rebaixamento em quatro anos. Ou seja, disputou Série A em 2015 e estará na Série D no ano que vem. Uma queda-livre que só pode ser explicada pelo bom jornalismo, que entra nos bastidores do clube, que escuta as vozes dos vestiários.

O que fez o conservador AN?

Apenas o obvio. "Derrota e Queda" é algo que toda a torcida do Joinville já sabe desde sábado. E o jornal saiu segunda.

Um fiasco. Quase tão grande como o novo rebaixamento da equipe.

segunda-feira, 23 de julho de 2018

O Globo lança novo projeto gráfico domingo


No próximo domingo O Globo (Rio de Janeiro, RJ) lança seu novo projeto gráfico, depois de seis anos com o atual. À esquerda uma pequena amostra do que vem por aí.

O modelo, desenhado por Chico Amaral, pretende valorizar a profundidade dos conteúdos e facilitar a leitura. A ideia de fundo é reforçar o valor do impresso em tempos de digitalização dos conteúdos.

A pequena amostra promete.

Mais detalhes aqui.

sexta-feira, 20 de julho de 2018

Não se deve brigar com a notícia


O primeiro cearense desde Castello Branco com reais chances de virar Presidente da República - mesmo tendo nascido no Interior de São Paulo - merece atenção total dos veículos do Ceará.

Ciro Gomes fez toda sua carreira política no Ceará e vem trabalhando a ideia de ser o candidato da esquerda.

Ontem, Geraldo Alckmin conseguiu fechar um acordo com o Centrão (que negociava com Ciro também) e, dessa forma, ganhou minutos de TV e apoio de novas bases.

Perdeu Ciro.

Os jornais do Ceará não devem ignorar o fato. É o primeiro grande golpe que sofre Ciro nessa campanha. Não se pode brigar com a notícia.

O Povo (Fortaleza, CE) tratou o fato com a importância que merece. Diário do Nordeste (Fortaleza, CE) ignorou.

quinta-feira, 19 de julho de 2018

Sem comentários


Time Magazine (Nova York, NY).

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Os 169 gols da Copa


A Copa do Mundo é um espetáculo televisivo - e agora também de redes sociais. É quase impossível querer fazer de uma publicação impressa algo necessário durante a competição.

Pois o The New York Times (Nova York, NY), de novo, consegue agregar valor ao papel.

Em página dupla, os 169 gols da Copa. Um por um. Para recordar e vibrar de novo.

Perfeito!

terça-feira, 17 de julho de 2018

Linda foto


A imagem que marca o início do Festival de Dança de Joinville, na capa de A Notícia (Joinville, SC), é de Salmo Duarte.

Tem movimento, tem charme, tem luz e sombra.

Uma foto digna de capa.

A aposta errada

França em festa, milhares de fotos nas ruas, o mundo pelas avenidas.

E o La Dépêche Du Midi (Paris, França) publica a foto da seleção campeã com o presidente da república.

Sem comentários.




segunda-feira, 9 de julho de 2018

Outra vez Sabadell


Não basta ter o melhor desenho, um projeto editorial vencedor e uma perfeita organização. Um jornal precisa ter, acima de tudo, uma equipe inteligente. Criativa. E sensível.

O Diari de Sabadell (Sabadell, Espanha) com apenas duas semanas de "renascimento" está encantando pela qualidade de seus temas, dos seus enfoques.

A capa da edição que vai às bancas amanhã é uma obra de arte.

sábado, 7 de julho de 2018

Brasil fora da Copa - Três acertos


Depois da decepção, a ressaca.

No dia seguinte é preciso enxergar além do normal.

Estado de Minas (Belo Horizonte, MG) foi em busca das seis razões para a eliminação.

Pioneiro (Caxias do Sul, RS) concentrou-se em Tite, seu "filho" mais famoso do momento.

E o popular Notícia Agora (Vitória, ES) traduziu com muito humor o sentimento do capixaba: a folga de terça foi cancelada. Poderia ter sido mais ousado, colocando isso na manchete. Mas o meio do caminho já é alguma coisa.



Brasil fora da Copa - Nada pior que dizer o obvio


Em pleno 2018, não há mais espaço para jornais impressos que dizem obviedades.

O Diário do Norte do Paraná (Maringá, PR) errou feio. Impossível abrir a carteira e comprar um diário com essa capa.

Parece a derrota em 1966.

Brasil fora da Copa - Duas versões da mesma ideia


Jornal da Cidade (Bauru, SP) e Jornal do Commércio (Recife, PE) tiveram a mesma ideia: traduzir o sentimento do brasileiro após a derrota, em imagens.

OK, tudo certo.

Mas se a imagem fala por si, como diz o diário do interior paulista, por que escrever isso?

Faça como o jornal pernambucano. Deixe a imagem falar. E não escreva nada.

quinta-feira, 5 de julho de 2018

É sério isso?


Taubaté, ai Taubaté.

A edição de hoje do Diário de Taubaté (Taubaté, SP) é tão ruim que até parece fakenews, que essa não é a verdadeira primeira página.

1) Manchete que não se preocupa em alinhar a linha de baixo;
2) Manchete que diz o que 200 milhões de brasileiros já sabem desde segunda-feira;
3) Texto de apoio à manchete horroroso, popular "encher linguiça". Uma aula de como não dizer nada em quatro colunas;
4) Foto dominante de arquivo, de uma porção de chaves e chaveiros desconexos. Para ilustrar matéria de investimento do governo;
5) Foto de arquivo de ambulâncias para falar de aumento de tráfego na estrada;

Hoje o DT se superou na ruindade e irrelevância.

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Provocação francesa, resposta argentina


O esportivo L`Équipe (Paris, França) foi às bancas hoje com a provocação à Argentina, adversária de amanhã.

Em bom espanhol: No Pasará.

O argentino Olé (Buenos Aires, Argentina) revidou. Apenas apagou o "No" e circulou nas redes sociais horas depois.

Quem tem razão? Amanhã às 11h se saberá.