Imprima essa Página Mídia Mundo: 2022

quarta-feira, 5 de outubro de 2022

Criatividade na busca de soluções


Esse trabalho já tem mais de dois anos, mas só recebi agora. É a capa do suplemento de reportagens Crónica, de El Mundo (Madri, Espanha), que sai aos domingos.

A matéria era sobre Júlia, um bebê que não chegou a nascer - morreu no ventre de sua mãe, vítima de Covid-19.

Como editar/ilustrar algo tão duro?

A solução do diretor de arte Rodrigo Sánchez é absolutamente genial.

terça-feira, 4 de outubro de 2022

Uma ótima reportagem multimídia


Há muita confusão no jornalismo sobre o que é uma reportagem multimídia. Várias matérias que se apresentam como tal não passam de uma reportagem monomídia, com alguns "puxadinhos".

O segredo para que um trabalho seja multimídia não é apenas a oferta de conteúdos em texto, imagens, vídeos, áudios e gráficos, mas a maneira como essas linguagens se conectam. E a necessidade de cada uma delas.

O Expresso (Lisboa, Portugal) apresenta uma reportagem com ótimos features. A começar pelo tema escolhido, que interessa a todos e se presta para mais de uma plataforma.

Se há um problema no material do Expresso é a falta de vídeos, que poderiam complementar a reportagem. Ficou para a próxima.

segunda-feira, 3 de outubro de 2022

A Tarde arriscou e acertou


Nenhuma pesquisa de opinião, nenhum meio de comunicação da Bahia cogitou a possibilidade de o ex-prefeito de Salvador ACM Neto perder as eleições para o governo. A dúvida era se o trunfo viria no primeiro ou no segundo turno - e a maioria dizia que seria primeiro turno.

Aí, poucos dias antes das eleições, surgiu o jornal A Tarde (Salvador, BA), amparado nas pesquisas de um instituto sem tradição em eleições apontando o crescimento do candidato Jerônimo, do PT. Parecia uma grande "barrigada", ou uma aposta desesperada para captar publicidade do atual governo. E não é que A Tarde acertou?

É claro que agora o impresso capitaliza a aposta. A Tarde arriscou e acertou. Essa estratégia pode ter sido determinante para a sobrevida do jornal soteropolitano pelos próximos 4 anos.

Palmas.

sexta-feira, 30 de setembro de 2022

Dinheiro é sempre bem-vindo


A penúria dos impressos obriga que empresas façam algumas ginásticas, nada simpáticas ao leitor.

No interior de São Paulo e no Rio Grande do Sul, as capas dos jornais estão tomadas por "santinhos". Às vezes com certo exagero.

A Cidade (Votuporanga, SP) ficou sem capa, 100% ocupada por publicidade. Diário da Região (São José do Rio Preto, SP) limitou ao terço inferior.

No Sul, Jornal NH (Novo Hamburgo, RS), Diário Gaúcho (Porto Alegre, RS), Correio do Povo (Porto Alegre, RS) e Zero Hora (Porto Alegre, RS) bateram nos 50%. Parece exagerado, mas o "Deus-Dinheiro" falou mais alto.




terça-feira, 27 de setembro de 2022

A aposta que tem tudo para dar errado


O jornal A Tarde (Salvador, BA) já foi uma potência. Na virada do século era, talvez, o mais importante impresso do Nordeste. Mas uma sequência de erros de administração, escolhas equivocadas e desinvestimentos - junto com o crescimento da concorrência e a crise da indústria da comunicação - acabou por transformar a marca em um veículo irrelevante. E quase morto.

Verdade que o grupo conseguiu sobreviver aos últimos anos, mesmo com o diagnóstico pessimista dos médicos da CTI. E parece estar utilizando a última bolsa de sangue, o último tubo de oxigênio. Em uma opção editorial surpreendente, aposta todas as fichas na vitória do candidato do PT ao Governo do Estado, ainda que as duas pesquisas mais respeitadas do Brasil - Datafolha e Ipec - indiquem o contrário.

A pesquisa publicada hoje, do instituto Atlas/Intel, chega a supor vitória no primeiro turno. E já há repercussões em sites locais e redes sociais. Ao que tudo indica, a pesquisa tem algum erro na coleta de dados, mas o resultado verdadeiro só será conhecido domingo.

Tremendo risco essa aposta de A Tarde. Se não confirmar nas urnas, o baque será enorme. E a consequência poderá ser o fim da marca.

quinta-feira, 22 de setembro de 2022

Samba do baiano doido

Os baianos que dependem da informação de seus dois principais diários estão perdidos.

Como entender que, segundo Correio* (Salvador, BA), ACM Neto vence no primeiro turno, enquanto de acordo com A Tarde (Salvador, BA) Jerônimo está na frente?

É preciso confiar no instituto que realiza a pesquisa. Ou não há qualquer valor.

Um dos dois jornais vai quebrar a cara na semana que vem, logo depois do voto. E o baque pode não ter volta.

 

sexta-feira, 16 de setembro de 2022

Só resta agradecer


O maior ídolo do esporte suíço no Século XXI vai abandonar as quadras.

Roger Federer, aos 41 anos, decidiu "pendurar as raquetes". Foi uma trajetória impressionante. Um gênio, admirado no mundo inteiro.

O gratuito 20 Minutos (Zurique, Suíça) não tinha outras palavras para utilizar hoje.

"Obrigado, Roger".

O mundo faz eco ao jornal.

quinta-feira, 15 de setembro de 2022

40 anos do jornal nacional dos EUA

O USA Today (McLean, VA) nasceu há exatos 40 anos com duas ideias centrais:

1. Ser o jornal nacional, lido por todos os americanos;
2. Ser a televisão no papel - ou seja, abusar de cores e gráficos (o que não era comum nos impressos)

A ideia funcionou por um tempo. A circulação chegou perto de 2 milhões de exemplares/dia - hoje mal alcança150 mil no impresso.
A credibilidade adquirida com o tempo migrou para o digital. Hoje são 1,75 milhão de assinantes digitais.

Enfim, um importante veículo de comunicação que precisou se adaptar aos novos tempos. E hoje comemora 40 anos.

 

quarta-feira, 14 de setembro de 2022

Nota de repúdio a um certo deputado

Um deputado estadual de extrema-direita do estado de São Paulo agrediu ontem de forma covarde e inconsequente a jornalista Vera Magalhães, da TV Cultura (SP). Esse deputado (que Mídia Mundo nega-se a publicar o nome, para não oferecer palanque) ofendeu Vera com as mesmas palavras que o presidente da República já tinha feito em rede nacional. Pior, inquiriu a jornalista sobre um suposto contrato no valor de R$ 500 mil reais com a Fundação Padre Anchieta, do governo paulista. Esse contrato não existe, uma vez que Vera recebe R$ 22 mil mensais (R$ 264 mil ao ano, como Pessoa Jurídica, conforme contrato exibido pelo próprio deputado na Assembléia Legislativa de SP).

O problema é que um jornalista não pode ser acossado, como fez o deputado. Mais ainda por Vera ser mulher. O deputado, preocupado em fazer teatro para sua bolha via redes sociais, gravava tudo com seu celular - e em uma bateria de palavras não permitia Vera falar. A cena é lastimável, uma ameaça clara à democracia. Completamente fora de contexto - o deputado estava acompanhando o debate entre candidatos ao governo de São Paulo, a convite do ex-ministro e candidato Tarcísio de Freitas, do seu partido - este senhor tentou criar um fato sem o menor sentido. Mas o jornalismo não permite tamanha truculência.

Foi aí que o Diretor de Jornalismo da TV Cultura - promotora do evento - Leão Serva viu a cena absurda da perseguição, sorrateiramente desarmou o deputado de seu celular - jogando-o longe - e falou o que a maioria dos ali presentes queria gritar: "Vai pra puta que te pariu, filho da puta".

👏👏👏👏👏

Leão fez a defesa extrema de uma funcionária. A democracia precisa destes "leões" que defendem o jornalismo e os jornalistas. Ou o caminho para a ditadura estará pavimentado.

Fascistas, não passarão!

PS: segundo o wikipedia, o deputado criou o bloco de carnaval Porão do Dops, é um dos líderes do movimento Direita São Paulo, defende pautas da extrema-direita reacionária, ameaçou agredir um transsexual que utilizasse o mesmo banheiro de sua mãe e, por fim, disse ser homossexual. Elegeu-se deputado na onda bolsonarista em 2018. Agora tenta a Câmara Federal. Mídia Mundo torce muito para que ele não obtenha sucesso nas urnas.

segunda-feira, 12 de setembro de 2022

O detalhe ou a imagem completa?

A cerimônia de despedida da Rainha Elizabeth II está rendendo fotos fantásticas. A tarefa mais difícil é editar as imagens.

Hoje os impressos ingleses saíram com a mesma foto, mesmo corte. Exceto The Times (Londres, UK), que publica a imagem completa.

Faça sua escolha.





A
 

sexta-feira, 9 de setembro de 2022

A mesma foto



Os britânicos respeitam tanto a monarquia, que preferem não ousar na última homenagem à Rainha Elizabeth II.

The Times, The Guardian, The Independent e I, todos de Londres, UK, utilizaram a foto oficial da coroação - de mais de 70 anos - para suas capas. 

É a imagem que vai ficar para o futuro.


segunda-feira, 5 de setembro de 2022

Publicidade digital e mídia exterior lideram crescimento


Os dados são do CENP (Conselho Executivo de Normas-Padrão), entidade que monitora a publicidade do ponto de vista ético no Brasil. O total investido nos veículos brasileiros, no primeiro semestre, chegou a R$ 8,292 bilhões - segundo o grupo de agências sob supervisão do CENP. É um crescimento de 12,57% em relação ao mesmo período de 2021.

O crescimento em Mídia Exterior chega a 60,5%, reflexo do fim da fase mais restritiva da pandemia de Covid-19 - as pessoas podem circular com maior tranquilidade. E no Digital a alta chega a 28%.

Importante também é a redução da distância entre o que se investe em TV Aberta - ainda líder - e Digital. 

PS: do Facebook de José Maurício Pires Alves

sexta-feira, 2 de setembro de 2022

Os argentinos no atentado

Cristina Kirchner sofreu um atentado na noite de ontem. Os impressos estava praticamente fechados naquele momento. Precisaram reabrir, é claro.

A decisão, então, foi como falar do grande e inesperado fato, para servir no dia seguinte?

Clarín (Buenos Aires, Argentina) optou pelo "cineminha", sequência de fotos. Só que isso é função das TVs e das publicações digitais.

La Nación (Buenos Aires, Argentina) foi com um fotão do momento do atentado. E se deu bem. É o detalhes que vale o exemplar do impresso.

Jornal funciona muito melhor com grandes apostas do que em informações picotadas.


 

A Tarde perdeu o rumo


O jornal A Tarde (Salvador, BA) fez uma aposta perigosa ao bancar pesquisa eleitoral de um instituto menos conhecido, com resultado radicalmente oposto a todos os demais.

Mas agora dobra a aposta quando dedica manchete a uma atitude burocrática do TRE, validando a pesquisa publicada há mais de uma semana.

O que é manchete?

É a grande aposta de um impresso. A principal informação das 24 horas anteriores. Uma exclusiva. Algo surpreendente. A notícia que vai chamar a atenção do leitor.

Triste ver esses erros tão banais de um, outrora, grande jornal. Hoje também por culpa de trapalhadas editoriais, está em vias de desaparecer.

quarta-feira, 31 de agosto de 2022

Tratamento com respeito


Mikhail Gorbachov foi um político que, nos anos 80, destacou-se ao liderar a política de abertura da União Soviética.

Chegou a ganhar o Prêmio Nobel da Paz.

Gorby, como foi carinhosamente apelidado, mudou o mundo. Fez história.

The New York Times (Nova York, NY) e The Times (Londres, UK) dedicam generosos espaços nas capas. E o tratam com enorme respeito - como deve ser.
Foto em preto e branco. 

RIP, Gorby.

 

terça-feira, 30 de agosto de 2022

A foto que vale capa


A sensibilidade de um repórter-fotográfico precisa ser valorizada. Quando aparece uma imagem como a que Nava Jamshidi produziu no Afeganistão, um bom impresso como o USA Today (McLean, VA) sabe que merece destaque na capa.

Viva a fotografia.

sexta-feira, 26 de agosto de 2022

Estadão está acelerando sua morte através de editoriais


O Estado de S. Paulo (SP) foi o jornal que no dia das eleições de 2018 cometeu o editorial "Uma escolha muito difícil", ao querer posicionar-se longe das opções que se apresentavam no segundo turno. Como já era previsto, o tempo serviu para que tal editorial se tornasse chacota nacional e ninguém tivesse dúvidas de que a escolha não era tão difícil assim.
No governo Bolsonaro, talvez por uma boa cota de anúncios, talvez por convicção de seus acionistas, o diário seguiu com um comportamento morno frente ao governo, mesmo em casos de incompetência, corrupção e incapacidade administrativa.
Agora, sem querer aceitar o que as pesquisas indicam, O Estado de S. Paulo comete um novo editorial que vai marcar época: acusa o candidato líder de se esquivar de críticas exatamente no dia seguinte a uma mudança de postura do candidato em entrevista. Não é isso que está em jogo, é o futuro do Brasil. Mas o Estadão prefere manter a postura conservadora e ainda acreditar em uma virada do candidato da extrema-direita.
Pode custar caro essa aposta.

quarta-feira, 24 de agosto de 2022

Uma aposta que pode custar muito caro


O jornal A Tarde (Salvador, BA), que já viveu dias de glória e hoje enfrenta uma tremenda crise, parece estar jogando todas as suas fichas na eventual vitória de um candidato ao Governo do Estado. Baseando-se em pesquisa que a própria empresa encomendou a um instituto sem tradições em disputas eleitorais, o diário soteropolitano crava que há um novo líder na Bahia.

É muito arriscado. Todas as outras pesquisas - inclusive as que têm sido alvo de ações judiciais para a não divulgação - apontam o contrário. Mas A Tarde parece acreditar que sua pesquisa tem maior valor que as demais.

O problema é que em outubro o eleitor vai votar e escolher o novo governador. Se os dados de A Tarde estiverem corretos, ótimo: serão quatro anos tranquilos, possivelmente com preferencias em publicidade governamental, e o fato de ter acertado a previsão - contra todos os demais meios da Bahia.

Mas há uma gigantesca possibilidade de que o candidato ora apontado como líder não vença. O que vai ser de A Tarde? Terá perdido apoio do Estado, bem como será visto como um veículo de fake news. Seus pouco mais de 8 mil exemplares/dia de circulação tendem a cair ainda mais. 

A saúde da empresa ficará comprometida definitivamente. Essa aposta pode sair cara.

segunda-feira, 22 de agosto de 2022

Sem fotos, por favor!


Quando a canadense Anita Kunz tem uma ideia, melhor sair de perto: vem uma obra-prima.

É assim a capa da revista The New Yorker (Nova York, NY), que chaga hoje às bancas.

Mona Lisa não quer ser mais fotografada. Genial!

Desenho não é só para deixar mais bonito


A Folha de Pernambuco (Recife, PE) mostra hoje que design de páginas (capa, principalmente) não pode ser feito de qualquer jeito, sem critérios.

O diário digital do Nordeste quis montar uma manchete destacando linhas, chamando a atenção a detalhes. OK, faz sentido. O que não faz qualquer sentido é que a parte escolhida para o destaque diga "crédito terão mais". Ou seja, não diga absolutamente nada.

Não é porque a linha está no meio que deverá estar em negro e em caixa alta. Isso deveria vir para destacar as informações que chamem a atenção. Não foi o caso.

Capa deve ser feita com carinho. É a principal informação de um jornal. E a manchete é o segredo da capa. Quando a Folha comete essa primeira página a mensagem que fica ao leitor é "nem perca tempo lendo o resto".

Ficou ruim.

quinta-feira, 18 de agosto de 2022

Os tristes números dos impressos no Brasil

Todos os impressos brasileiros avaliados mensalmente - a partir dos dados do IVC - pelo Poder360 (Brasília, DF), perderam circulação no primeiro semestre. A queda média é de 7,7% desde dezembro. O Estado de S. Paulo (SP) perdeu a liderança - entre os quality. São péssimas notícias para todos.
Vai ser difícil recuperar espaço ou seguir considerando o impresso como principal plataforma. Os números de audiência são ridículos, se comparados ao digital.
Insistir nessa estratégia é cada vez mais um ato de suicídio.


 

quarta-feira, 10 de agosto de 2022

Prazer, isso chama-se jornalismo


O Globo (Rio de Janeiro, RJ) deu uma aula de jornalismo, talvez inspirado no clássico "Guerrilheiro Nescau", do Jornal do Brasil (Rio de Janeiro, RJ) de 1986.

Daquela vez a foto de um saque a um supermercado na capa do JB fez o repórter Bob Fernandes ir atrás de um personagem que saía do local com uma lata na mão. A polícia informou que trava-se de um guerrilheiro com uma bomba. O bom jornalismo revelou que era, na verdade, uma pessoa que passava pelo local, viu a porta aberta do mercado e aproveitou a confusão para pegar uma lata do achocolatado Nescau, pensando em seus filhos.

Agora O Globo foi atrás dos personagens da foto de capa de ontem (ESQ) e revelou a história de Ivanir Silva Moraes Junior, pintor e eletricista desempregado.

Genial. Jornalismo puro. Um exemplo de como fazer do trivial uma reportagem fantástica.




 

domingo, 7 de agosto de 2022

O impresso não precisa pensar analógico

 

A revista IstoÉ (SP) mostra para quem quiser ver que as plataformas de distribuição de conteúdo são complementares. Não vivem mundos diferentes, muito antes pelo contrário: o foco está na audiência, nas pessoas, não importa por qual plataforma ela esteja buscando conteúdo.

Nessa semana um QRCode ajuda leitores do impresso a acessarem a Carta em Defesa da Democracia. Basta posicionar o celular e navegar pela Carta, chegando ao local de assiná-la.

Boa sacada da revista - agora sob a direção de arte da competente Renata Maneschy.


terça-feira, 2 de agosto de 2022

E segue a festa das Leoas

A façanha do futebol feminino inglês, campeão da Eurocopa, ainda provoca festa em Londres.
Se no masculino as coisas não andam bem, as Leoas inglesas conquistaram as torcidas. E as capas dos jornais - até do Financial Times.


 

segunda-feira, 1 de agosto de 2022

Os ingleses são originais

Quem diria que o futebol feminino reuniria mais de 87 mil torcedores no Estádio de Wembley, em Londres - maior público desde a reforma?
Quem diria que o futebol feminino seria uma paixão à inglesa?
Hoje todas as capas do impressos do Reino Unido falam da "façanha" da Seleção Inglesa, campeã europeia de futebol pela primeira vez.
Os tempos mudaram.