Imprima essa Página Mídia Mundo

quarta-feira, 10 de agosto de 2022

Prazer, isso chama-se jornalismo


O Globo (Rio de Janeiro, RJ) deu uma aula de jornalismo, talvez inspirado no clássico "Guerrilheiro Nescau", do Jornal do Brasil (Rio de Janeiro, RJ) de 1986.

Daquela vez a foto de um saque a um supermercado na capa do JB fez o repórter Bob Fernandes ir atrás de um personagem que saía do local com uma lata na mão. A polícia informou que trava-se de um guerrilheiro com uma bomba. O bom jornalismo revelou que era, na verdade, uma pessoa que passava pelo local, viu a porta aberta do mercado e aproveitou a confusão para pegar uma lata do achocolatado Nescau, pensando em seus filhos.

Agora O Globo foi atrás dos personagens da foto de capa de ontem (ESQ) e revelou a história de Ivanir Silva Moraes Junior, pintor e eletricista desempregado.

Genial. Jornalismo puro. Um exemplo de como fazer do trivial uma reportagem fantástica.




 

domingo, 7 de agosto de 2022

O impresso não precisa pensar analógico

 

A revista IstoÉ (SP) mostra para quem quiser ver que as plataformas de distribuição de conteúdo são complementares. Não vivem mundos diferentes, muito antes pelo contrário: o foco está na audiência, nas pessoas, não importa por qual plataforma ela esteja buscando conteúdo.

Nessa semana um QRCode ajuda leitores do impresso a acessarem a Carta em Defesa da Democracia. Basta posicionar o celular e navegar pela Carta, chegando ao local de assiná-la.

Boa sacada da revista - agora sob a direção de arte da competente Renata Maneschy.


terça-feira, 2 de agosto de 2022

E segue a festa das Leoas

A façanha do futebol feminino inglês, campeão da Eurocopa, ainda provoca festa em Londres.
Se no masculino as coisas não andam bem, as Leoas inglesas conquistaram as torcidas. E as capas dos jornais - até do Financial Times.


 

segunda-feira, 1 de agosto de 2022

Os ingleses são originais

Quem diria que o futebol feminino reuniria mais de 87 mil torcedores no Estádio de Wembley, em Londres - maior público desde a reforma?
Quem diria que o futebol feminino seria uma paixão à inglesa?
Hoje todas as capas do impressos do Reino Unido falam da "façanha" da Seleção Inglesa, campeã europeia de futebol pela primeira vez.
Os tempos mudaram.


 

sexta-feira, 29 de julho de 2022

Se hay presidente, soy contra

É unanimidade.

Ninguém mais aguenta o presidente do Peru, Pedro Castillo.

Ontem o chefe do executivo fez um discurso, pelo dia nacional, e ninguém entendeu nada. Ele fugiu dos temas da agenda, que provocam sua queda acentuada de popularidade.

La Republica (Lima, Peru), El Comercio (Lima, Peru) e Correo (Lima, Peru) não perdoaram.


 

terça-feira, 26 de julho de 2022

A foto que não devia estar ali


O que fez El País (Madri, Espanha) publicar uma foto de um atleta sueco na capa?

Talvez o calor escaldante da Espanha tenha atrapalhado o planejamento. Não há outra explicação.

Verdade, foi recorde no Mundial. Mas um sueco? Não havia nada melhor para publicar?

A capa é nobre. Ali vai o melhor do melhor. Nessa caso se considerou a estética, mas não a relevância.

A foto, realmente, não deveria estar ali.

quinta-feira, 21 de julho de 2022

Exagero no No-News


Uma notícia é mais ou menos importante, mais ou menos relevante, devido a uma série de motivos: o principal é o incomum. Ou seja, se algo está "fora da curva", se fugiu da lógica, pode ser notícia. E seu impacto sobre a audiência sobe a régua sobre a relevância.

Um avião com problemas técnicos, que retorna ao aeroporto de origem e descarrega o combustível antes é uma manobra de segurança da aviação. Não chega a ser algo incomum. O piloto seguiu o protocolo e pousou de volta, de maneira eficiente, com os passageiros em condições perfeitas.

Notícia seria o pouso "de barriga", passageiros feridos, enfim, um "incidente". A manobra, como ocorreu, foi perfeita.

Por isso dedicar a manchete do impresso para esse fato é um exercício exagerado de "no-news" do Estado de Minas (Belo Horizonte, MG). Erro de avaliação, sem dúvidas.

É claro que os passageiros ficam nervosos, afinal estão nas alturas. Mas o fato não mereceria manchete de um grande impresso brasileiro.