Imprima essa Página Mídia Mundo: 2021

terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

Para tudo há um limite: a verdade


O alerta veio do The Intercept. Pelo menos 8 conhecidos jornais impressos do Brasil publicaram hoje o "Manifesto pela Vida", de um grupo auto-intitulado Médicos do Tratamento Precoce Brasil.

O texto é um amontoado de bobagens, alinhadas com aquilo que a ciência deixa claro tratar-se de mentiras. O Manifesto está em espaço pago nos jornais Folha de S. Paulo (SP) e Zero Hora (Porto Alegre, RS), entre outros. Só que para o leitor comum, se está publicado significa que o veículo acredita que aquilo trata-se de verdade.

Só que não é.

Não existe tratamento precoce para o Covid-19. Mais de 250 mil brasileiros já morreram por falta de atendimento, falta de vacina e outras atitudes negacionistas como essas, defendidas por um grupo de médicos pouco conhecidos - mas rico o suficiente para pagar por espaço em impressos.

Há um limite para a busca de recursos. A verdade é uma delas - talvez a principal. Quando jornais importantes aceitam publicar mentiras como essa - que podem influenciar no pensamento dos leitores - os veículos estão fazendo justamente aquilo que não poderiam fazer: colaborando para aumentar o número de mortes.

É lamentável.

 

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021

Líder do Ceará acaba com a edição impressa


O Diário do Nordeste (Fortaleza, CE) sepulta sua edição impressa no próximo fim de semana. O jornal, que já foi um dos três maiores do Nordeste - e líder absoluto no Ceará -, não suportou a crise econômica e os erros de gestão. É mais um para o grupo dos "sem papel".

O DN bem que tentou mudar e se salvar a tempo. Mas não teve competência para isso. Há três anos reduziu formato - de standard a tabloide - e adotou um projeto gráfico muito bom, do designer espanhol Antonio Martín. Só que o modelo editorial seguiu pobre, envelhecido. Conteúdos que não interessavam ao leitor. Aí não há solução mágica.

O jornal tenta agora vender a ideia de modernidade, de "ampliar o portfólio". Pura bobagem. O impresso entrega conteúdos desconectados da realidade do Ceará. Prova de que um excelente projeto gráfico não funciona se não tiver a companhia de um novo modelo editorial e de uma nova forma de se produzir conteúdo.

Descanse em paz, DN.

500 mil mortos nos EUA



Serão 500 mil mortes até o final da semana. Meio milhão de americanos terão morrido por Covid-19 em um ano de pandemia.

As capas de The Washington Post (Washington, DC) e de USA Today (McLean, VA) mostram o horror dessa "façanha", mas isso ainda é pouco para o tamanho da tragédia.

O número, infelizmente, vai crescer.

domingo, 21 de fevereiro de 2021

Ousadia em infográficos


Mais uma vez The New York Times (Nova York, NY) ensina como fazer infográficos de alta qualidade.

Esse ficou tão bom que ganhou a capa inteira da edição de domingo.


 

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021

Um suspiro de jornalismo em UMA capa gaúcha


A falta de visão jornalística dos impressos gaúchos já foi tema de posts aqui no Mídia Mundo. O piloto-automático ainda opera nas edições de segunda-feira, em nome da neutralidade. Mas hoje um jornal conseguiu romper a escrita, enfim.

Ontem os dois grandes times do Rio Grande do Sul jogaram. O Inter, líder do campeonato, a duas partidas de um título que não chega há mais de 40 anos, venceu de novo. O Grêmio, já sem chances, jogando mal e focado na decisão da Copa do Brasil daqui a duas semanas, perdeu de novo.

Os jogos não são iguais. Um decide título, o outro é quase amistoso. O que fazem Zero Hora (Porto Alegre, RS), Diário Gaúcho (Porto Alegre, RS) e Jornal NH (Novo Hamburgo, RS)? Dão pesos iguais na capa às duas partidas, como se isso fosse agradar colorados e gremistas. Pura ilusão.

Mas o Correio do Povo (Porto Alegre, RS) finalmente entendeu que há dois pesos e duas medidas. Ufa. Pelo menos um gaúcho acerta na aposta de capa.

PS: o Fluminense ontem conseguiu a classificação para a Taça Libertadores da América, depois de muitos anos. O Vasco está quase rebaixado. Mas nas capas dos jornais do Rio de Janeiro é só Flamengo, que afinal disputa o título brasileiro. Ou seja, há critérios editoriais entre os cariocas.


 

Criatividade na propaganda


Genial a publicidade de rua do chocolate KitKat.

Criatividade é fundamental.

PS: Dica do amigo e grande observador Mauricio Cabrera

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

Outra capa genial de The Economist


Criatividade é chave no jornalismo.

A arte bem elaborada conta uma história ao primeiro olhar.

The Economist (Londres, UK) é genial.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021

Ao campeão, a festa


 

Não há palavras para expressara alegria.

O Tampa Bay Buccaneers é campeão no futebol americano. Sobrando. Fácil.

O Tampa Bay Times (São Petersburgo, FL) comemora.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021

Para que se entenda como seria um jornal sem notícias


Alguns jornais canadenses foram às bancas hoje com a capa em branco. 

Não se trata de um erro editorial, mas um protesto da News Media Canadá, a associação dos impressos do país, contra a concentração da publicidade digital nas mãos de Google e Facebook.

A entidade reclama que os gigantes digitais se utilizam dos conteúdos das empresas de comunicação - e não pagam por isso. É uma forma de pressionar por uma negociação com Google e Facebook, que hoje já estão pagando por bom jornalismo em outros países como a Austrália.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2021

A crítica forte com elegância


The Globe and Mail (Toronto, Canadá) é o jornal de referência ao norte dos Estados Unidos. 

Na capa de hoje, nenhuma manchete, nenhuma foto. Só uma rápida chamada, em cinco linhas, para o forte editorial criticando a demora do país na busca pela vacina contra Covid-19.

O Canadá é um país desenvolvido, com uma ótimas estrutura médico-hospitalar e com números invejáveis no controle à pandemia. Mas como cada vida conta - e muito - o diário é extremamente crítico em relação à espera pela vacina nacional.

Duro e elegante.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

Rostos e decepção nas 100 mil mortes por Covid do Reino Unido


As 100 mil mortes por Covid-19 no Reino Unido rendeu capas tristes, que fazem pensar. Como os rostos, em preto e branco, de algumas vítimas no The Times (Londres, UK). Ou a cores, no i (Londres, UK).

The Guardian (Londres, UK) e The Daily Telegraph (Londres, UK) preferiram dar voz ao primeiro-ministro Boris Johnson. Diferentemente de outros líderes ao Sul do Equador, Johnson disse que "lamenta profundamente".

É o mínimo que se espera de um líder.


 

sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

O brilho das revistas


The Economist (Londres, UK) e Time Magazine (Nova York, NY).

Duas visões (semelhantes) sobre o mesmo tema.

Para isso servem as revistas.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

Jornais que não servem para nada

 
Chega a ser ridículo, não fosse triste e patético.

Os principais jornais impressos de Porto Alegre estão morrendo por culpa pura e simples de seus jornalistas, que não sabem desengatar o piloto-automático.

O planejamento, ontem, seguiu os padrões sempre estabelecidos: há jogos das duas equipes da cidade, é preciso dar espaços iguais às duas partidas na capa. Isso funciona (sem emoções) em 99% dos casos. Mas há aquele 1% que subverte a lógica.

E ontem foi um desses casos.

O Grêmio, em um jogo morno, apenas empatou em 1 a 1 com o Atlético-MG, resultado que o deixou na mesma situação de antes: longe do título.

Já o Internacional, então segundo colocado, goleou por 5 a 1 o então líder São Paulo, fora de casa, e assumiu a liderança. Qualquer um desses fatos já valeria destaque: o baile, a goleada e a liderança.

Mas os jornalistas sem ousadia, que estão matando o jornalismo impresso, preferiram cumprir o planejado. O resultado são capas surreais em Zero Hora (Porto Alegre, RS), Diário Gaúcho (Porto Alegre, RS) e Correio do Povo (Porto Alegre, RS). Parece que a goleada não aconteceu!

Esse é o tipo de comportamento amorfo que afugenta leitores e decreta a morte dos impressos. Culpa de quem não entende de jornalismo. Não vibra. E se protege atrás do piloto-automático.

Lamentável.

terça-feira, 19 de janeiro de 2021

Na dúvida, faça o simples


Não é preciso ter a melhor ideia da vida todos os dias. Um jornal impresso diário se faz de informações relevantes comunicadas da forma mais eficiente possível.

A primeira página do The New York Times (Nova York, NY) de hoje faz o simples: uma tabela do número de mortos dia a dia das últimas semanas, branco no preto. Sem desenhos, ilustrações desnecessárias ou qualquer outra cosmética. É o fato e ponto.

Dessa forma é possível visualizar imediatamente o que se quer dizer.

Uma aula de simplicidade do NYT.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

Governador só sai na foto dos jornais paulistas


A foto da vacinação da primeira brasileira (em território nacional) está nas capas de 99% dos impressos brasileiros.

Mas há uma sutil diferença na edição de Folha de S. Paulo (SP) e O Estado de S. Paulo (SP) em relação a TODOS os demais: a presença do governador Doria ao lado da cena.

Nessa guerra política, pelo jeito os jornalões paulistanos assumiram um lado.
 






domingo, 17 de janeiro de 2021

Um show de histórias e capas

The New York Times Magazine (Nova York, NY), a revista do mais importante jornal do mundo, entende que a relação com o leitor/audiência não termina quando se publica algo - erro mais comum de 10 entre 10 publicações da América do Sul. 

Matérias fantásticas, bem pensadas, elaboradas com enorme rigor e cuidado, ganham a capa do NYT Magazine. E a produção da capa é outro exercício de bom jornalismo. Tanto, que não poderia morrer ao final de cada domingo.

Por isso a revista edita reportagens gráficas, em diversos formatos, como esse vídeo no Instagram sobre as histórias por trás das capas do ano passado. Um espetáculo. Uma aula de como manter a boa relação com a audiência.

PS: Dica do super antenado designer Antonio Martín


quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

Não é o que parece


A capa do The New York Times (Nova York, NY) revela duas informações que não estão diretamente ligadas, ainda que a conexão seja inevitável.

A manchete é sobre o futuro político do presidente Donald Trump, que teve processo de impeachment aceito pela Câmara dos Deputados e agora vai esperar o veredito do Senado Federal. Pela primeira vez na história um presidente vai pela segunda vez a julgamento.

A foto é sobre a preparação dos "Marines" para garantir a tranquilidade e segurança na posse do presidente eleito Joe Biden, prevista para a semana que vem. O momento de descanso dos soldados parece uma semana de tomada do palácio em golpe de estado.

É muito difícil fazer uma capa unindo dois temas tão próximos e fazer sentido sem vulgarizar. O NYTimes conseguiu.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2021

Os sapatos da Folha


A Folha de S. Paulo (SP) acertou em cheio na escolha do jogo de imagens que ilustra a triste notícia da chegada às 200 mil mortes por Covid. Os sapatos que ficaram.

A ideia foi aplicada já ontem, no site, e está hoje dominando a capa do jornal.

Genial. Não precisa de legenda.


 

quinta-feira, 7 de janeiro de 2021

O legado de Trump

 

Foi a revista inglesa The Economist (Londres, UK) quem melhor traduziu a trágica invasão ao Capitólio.

Perfeito!

segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

Fim dos diários impressos em Salt Lake City


A cidade de Salt Lake City, nos Estados Unidos, tem 200 mil habitantes na área central e chega a 2 milhões na Grande Salt Lake. É bastante gente. Por isso dois jornais centenários dividem as preferências do leitor. O The Salt Lake Tribune (Salt Lake City, UT), premiadíssimo, e o Deseret News (Salt Lake City, UT), preferido pelos mórmons - devotos da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, cuja sede fica na cidade.

Na véspera do Ano Novo, os dois jornais, simultaneamente, deixaram de ser diários. O Tribune terá uma edição dominical impressa enquanto o Deseret fará uma edição fim de semana, às sextas-feiras.

Não chega a ser surpresa a decisão de abandonar o impresso (o Tampa Bay Times tomou a mesma decisão há mais de seis meses). O que surpreende é que os dois concorrentes saem juntos da circulação diária impressa. Ambos vão competir, a partir d agora, apenas no digital.