Imprima essa Página Mídia Mundo: O susto de Lula - Como ser antigo

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

O susto de Lula - Como ser antigo

Se há uma informação que qualquer leitor do Brasil NÃO precisa receber em seu jornal é que o presidente Lula sofreu uma crise de hipertensão e cancelou a viagem à Suíça.
Isso aconteceu na noite de quarta-feira. Hoje é sexta-feira.
Bons jornais vão além. As 36 horas que separam o susto de Lula e a chegada do exemplar do jornal à casa do assinante são suficientes para que os jornais criativos, que pensam no leitor, dêem um passo a mais do que apenas noticiar o problema.
Para isso serve um jornal: a análise, a consequência, o algo a mais.
A notícia esteve em todos os canais de TV, em todas as estações de rádio e em todos os websites ontem, durante o dia inteiro.
Os três jornais abaixo, O Estado de S. Paulo (SP), Zero Hora (Porto Alegre, RS) e Pioneiro (Caxias do Sul, RS) são apenas exemplos do que um jornal NÃO deve fazer.
Mas eles fizeram.
E depois querem cobrar do potencial leitor para ler notícias velhas.


Um comentário:

  1. Lula exposto

    A cobertura jornalística da rápida internação do presidente segue um roteiro previsível. O alarmismo das manchetes iniciais garantiu uma atenção desproporcional ao problema. Durante a fase de expectativa, fotografias mostravam Lula fazendo caretas e exibindo sinais de fraqueza. Antes que parecesse redundante ou exagerado, inacreditáveis especuladores de rádio e TV faziam piadas sobre seus hábitos e ridicularizavam a cúpula do governo.
    Mesmo constatada a desimportância do episódio, todos os veículos aproveitam-no agora para minuciosa exposição do presidente. Gráficos apontam suas vulnerabilidades, “especialistas” prevêem futuros sombrios, retornam as pechas do alcoolismo, do tabagismo e da obesidade. Parece que Lula foi destituído de nobreza e magnificência, restando apenas um pobre diabo que morrerá a qualquer momento (é um ensaio para o que Dilma enfrentará em breve).
    Que diferença da mídia que defendia a preservação da intimidade do agente público...

    ResponderExcluir